Que vontade tenho de sair por aí
1 de março de 2019
Meu filho Perseu
10 de março de 2019

O Mosaico das Falácias

Zé Renato é professor de Filosofia da UniJales

O título foi uma sugestão de meu amigo, professor doutorando Jemerson, em meio a conversas acerca de nossa triste atual condição. Digo nossa, em relação a todos os brasileiros, envoltos numa podridão que se arrasta há séculos

Desde cedo ouvia que o “Brasil é o país do futuro”. Tenho cinquenta e oito anos, faz mais de quarenta e cinco que me foi dito. E o futuro? É esse?

Corrupção e jeitinho eram coisas apresentadas como se fossem naturais, inerentes a nossa cultura. Cânceres que se transformaram em metástase, se espalharam por todo o tecido putrefato dessa terra.

Cresci durante a ditadura militar. Ouvia histórias de pessoas que sumiam, sobre as quais não se tinha mais notícias. Vivi e cresci com medo. Com a permanente sensação-certeza de que era vigiado, sem “dever” nada. Período obscuro, caracterizado pelo terror e arbítrio. Pois bem, hoje, século vinte e um, passados mais de trinta anos de seu suposto fim, há aqueles que descaradamente, insistem em dizer que não existiu. A comissão da verdade, depoimentos, sobreviventes do período, estão a mentir? Livros, reportagens, documentários…tudo ficção? Torturadores orgulhosos de seu ofício, saudados em pleno congresso nacional, em meio a um golpe contra o povo

Planos econômicos, com desculpas de melhoras e propósitos e intencionalidades de beneficiar apenas especuladores e o grande capital, cuja conta do fracasso, é remetida sem piedade ao miserável trabalhador.

O último, plano real, buscava apenas a estabilidade monetária, econômica, não financeira. Mudou o nome dos preços e serviços; dividiu salários por dois, setecentos e cinquenta – a nefasta URV – e passou nova conta ao trabalhador. Baixou a inflação. Verdade. A custa de desemprego, falência, carestia e sofrimento.

Vale lembrar: o chamado carro popular (?) custava sete mil e oitocentos reais, quando de sua implantação em 30/06/94. Hoje custa mais de vinte e cinco mil reais.

Os salários tiveram reajuste isonômico?

NÃO!

Estamos ou não estamos mais pobres?

As poucas ações sérias, em favor do povo, foram torpedeadas rapidamente: o Plano Cruzado, de autoria do Ministro da Fazenda – Dílson Funaro -, era sério. Todavia, concebido em meio ao corrupto e ilegítimo “governo” Sarney, fracassou, em virtude de seu uso eleiçoireiro.

Pouco depois, Funaro definhou até morte, de desgosto, certamente.

Em 1989, depois de vinte nove anos sem poder escolher um presidente, a maioria escolheu Collor. Campanha histérica, mentirosa, voltada para alienados; prometendo o impossível.

Como toda a campanha e estrutura arquitetadas pela Rede Globo, foi eleito.

Tomou posse em 15/03/90.

O “caçador de marajás” decretou feriado bancário e tomou todo o dinheiro dos brasileiros. Destruiu o “sagrado” segredo bancário; confiscou a poupança. Quebrou o país e a todos, em nome do fim da inflação.

Levou ao desespero todos que confiaram em sua mentira, em suas sandices e imbecilidades.

Como pretendia que somente ele e sua corja mamassem no poder, a Globo pôs, a Globo tirou.

Criou-se um patético movimento pelo impeachment, os “caras pintadas”.

Fez-se o circo.

Pergunto: será que todas as acusações que pairavam sobre Collor, não ocorreram e não ocorrem a outros presidentes? A resposta me parece sim. Não se pretendia e não se pretende moralizar. É apenas um golpe

Depois do patético Itamar, do sofismático “plano real”, oito anos de coxinhas.

FHC, outrora identificado como marxista, intelectual de esquerda, agora “pai do real”, aliou-se a Antonio Carlos Magalhães – Toninho Malvadeza – o arquétipo daquilo que há de pior em termos de prática e atuação política, também um dos artífices do golpe e da ditadura militar.

Lançou-se candidato com o discurso: “- Esqueçam o que escrevi”. Quando indagado da suposta incoerência.

Oito anos de privatizações criminosas, desemprego, carestia, desespero, com um aparente ar de modernidade e sofisticação. Muita corrupção.

O direito de se recandidatar foi comprado no congresso, a um preço altíssimo. Conta paga pelo povo.

É o jeito coxinha de “governar”.

Sucateamento da Educação, da Saúde. Todavia, tudo temperado com uma atmosfera chique, europeia e intelectual, encoberta numa falsa honestidade, numapseudo ética. “Onestidae, Onradez é ó pro seis”. Dizia o sábio Zé Simão

O reinado coxinha acabou quando da vitória de Lula.

Eleito e empossado em 01/01/2002, aliado a José de Alencar, empresário, conservador, começava a escancarar que o Partido dos Trabalhadores manteria apenas o nome. Em busca do poder, abandonou princípios, virou as costas para a base, burocratizou a militância.

Ainda assim, fez, a meu ver, o governo menos ruim de nossa história.

Continuou a beneficiar grandes empresários, latifundiários e especuladores. No entanto, realizou pequenas operações, com as quais, diminuiu um pouco o abismo entre os muitos ricos – milionários e bilionários – e os muito pobres e miseráveis.

Democratizou o crédito e o consumo.

Foi pouco. Contudo, nunca antes e nem depois, o povo usufruiu desse pouco.

A corrupção continuou.

Aqueles mesmos corruptos do golpe militar, continuaram mamando.

O povo teve algumas migalhas. Depois de oito anos de Lula, Dilma foi eleita na esteira de seu prestígio.
Mais PT? Os coxinhas não suportaram nova derrota. Dilma governou quatro anos, sofrendo com os acordos espúrios de Lula, com a crise mundial agravada. O prestígio de Lula garantiu sua reeleição. Para os coxinhas havia bastado. Dilma foi derrubada por um golpe. Impedida de governar, sem ter cometido nenhum crime. A desculpa: pedaladas fiscais. Praticadas antes e depois dela. Não se pretendia e não se pretende moralizar nada. Foi apenas um golpe

É oportuno lembrar: a corrupção existente desde a colônia, continuou. Passou por Collor, pelos coxinhas, por Lula e Dilma.

O vampiro Temer, ser rastejante e traiçoeiro, assumiu. A escória, aparentemente escanteada voltou.

Cortes drásticos na área social. Mais ferro no já sofrido povo.

Pedalas, corrupção e impunidades a milhão.

A crise mundial, a agonia do capitalismo e o espectro do nazi-fascismo, já rondavam o Brasil.

A fritura de Dilma, seu golpe, foram condimentados pelo nascimento do bozão.

O terreno para sua vitória foi pavimentado pelo juiz miojo, Sergio Moro, cuja atuação foi decisiva.

Lula liderava toas as pesquisas.

Seria reeleito.

Foi preso. Sem nada comprovado. Apenas pela “convicção” do juiz.

Fora do páreo…O Bozão decolou.

Uma candidatura alicerçada em meio ao ódio, anti-humanitária, com ares nazifascista, povoada por mentiras, promessas esdrúxulas; alienada para alienados, um pseudo-nacionalismo salvacionista; cuja campanha, vazia de ideias e propósitos, intencionalidades nebulosas; apologia da ditadura militar, da tortura e da violência, calcada nas tais “fake News”, desestabilizou o instável país, numa onda de ira e desentendimentos, pautados por discursos inflamados, a maioria sem nenhuma argumentação, transformando em inimigos todos àqueles que não compactuam com a barbárie travestida de novo e sério. Ódio ao diferente, ódio ao pensante, ódio ao humanismo, ódio, ódio, ódio…Ganhou Bolsonaro

Fugindo de debates, sem nenhuma explicação ou frase lógica.

Formou sua equipe.

Show de horrores.

Discursos estapafúrdios, sem nexo. Erros e mais erros.

Uma bizarra participação no fórum de Davos.

O ministro da educação é um colombiano, de formação duvidosa, com imensa capacidade de proferir sandices e imbecilidades, tais como: ‘A Universidade deve ser ocupada por uma elite intelectual’; ‘O brasileiro é um horror, sem educação, produzindo furtos em hotéis mundo afora’. O ministro do meio ambiente não conhece Chico Mendes. Além de ser condenado por improbidade. O ministro das relações exteriores foi citar o filósofo Wittgeistein…falou uma grande quantidade de bobagens

Há a ação de seus três filhos – os três patetas -, os quais disputam a primazia daquele que se demonstra o mais incapaz. Até agora o garoto (?) de trinta e sete anos está vencendo.

Anúncio de reformas, as quais trazem consigo a destruição dos direitos restantes da classe trabalhadora.

A propositura de uma reforma da previdência, cujo déficit não é explicado, muito menos provado, com o objetivo de garantir que o empregado trabalhe até a morte. Penaliza os pensionistas e aposentados de menor rendimento. Acena com mais benefícios para os banqueiros.

Apresenta uma reforma trabalhista, com a qual, somente restará a revogação da lei Áurea.

Enquanto isso, a corrupção, a ação de laranjas, cheques e depósitos estranhos, continuam sem explicação; o número de desempregados explode … o país submerso em meio a lama de Mariana e Brumadinho, provocadas pela Samarco e Vale, impunes.

A educação pública em suas três esferas caminha para a extinção. Temos diante de nós: o medo, o fim, a extinção, o horror, a desesperança e a alienação. Essa constituída pela mamadeira de piroca, pela goiabeira, pelo rosa e azul e pelo mestrado bíblico

 

Zé Renato é professor de Filosofia da UniJales
joserenatostb@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *