Não é fácil ser mulher no Brasil
14 de março de 2019
Para a Isabelle
20 de março de 2019

Como fazer coquetel molotov

Jacqueline é professora e pedagoga há 30 anos

Engana-se quem, ao ler o título acima, acredita que estarei a ensinar como preparar um ‘coquetel molotov’. Pelo menos não no modo tradicional. Isto é para amadores; a internet tem inúmeros sítios que, além de contar como surgiu o artefato, ensina como fabricá-lo. A proposta aqui é outra:  a árdua tarefa de refletirmos acerca de atitudes de violência extrema – como a que ocorreu na escola de Suzano, infelizmente a mais recente, porém não a única – e a necessidade de não simplificarmos ‘a coisa’ e nos deixar levar pelo senso comum

Videogames, negligência, bullying, abandono, armar (ou desarmar) a população, redução da maioridade penal, deep/dark web – o “buraco” é muito, mas muito, mais embaixo e também profundo. E torna-se necessário e urgente nos aprofundarmos sobre esses temas se quisermos verdadeiramente compreender um pouco mais sobre este imbricado assunto.

Todos os programas de noticiários, sem exceção, veicularam o atentado e, por um bom tempo, irão nos trazer novos fatos e versões. Em se tratando de informação foram “primorosos”. Mostraram não só quem eram os assassinos e sua história, mas seus endereços, seus familiares. Uma exposição exagerada, sem limites.

Qualquer país que tem como meta se tornar uma nação desenvolvida não permitiria que a mídia realizasse abordagens exacerbadas, grotescas mesmo. Ainda mais em se tratando de crime dessa natureza.

O professor de Relações Internacionais da PUC-SP Reginaldo Nasser afirma que “há um acúmulo de referências e significados que levam essas pessoas a estarem dispostas à essa violência extrema”. Segundo ele, políticos, jornalistas, intelectuais, que estão falando algo ingenuamente ou brincando com isso, são responsáveis indiretos por esses atos que só acontecem porque as pessoas se sentem fortalecidas; se isso for negado completamente pela sociedade, se ninguém saudar ou ecoar, esses eventos vão ser insignificantes e não vão crescer”.

Segundo a jornalista Claudia Collucci, em artigo na Folha de São Paulo, em 14/03/19, após ataques a tiros em escolas americanas estudos apontam que a mídia deveria ser muito cautelosa ao noticiar ataques deste tipo para evitar o que os especialistas chamam de efeito contágio ou cópia (copy). No artigo, ela cita que revista científica Plos One “aponta evidencias significativas que tiroteios em escola e assassinatos em massa envolvendo armas de fogo são incentivados por eventos semelhantes no passado”, e que a notoriedade dada aos autores pode ser fator motivacional para ações deste tipo. Segundo o artigo, vinte anos após o tiroteio na Columbine High Scholl (1999) os assassinos (dois estudantes da escola) são cultuados como “heróis” entre grupos de pessoas desajustadas e que o atirador de um cinema na cidade de Aurora, no Colorado,  se tornou um nome muito mais conhecido do que qualquer uma de suas vítimas. Em 2014, uma investigação da ABC News aponta que pelo menos 17 atiradores e 36 estudantes (que foram impedidos de atacar) citaram Columbine ou seus autores como influência para o ataque.

A matéria informa também que existem grupos como o No Notoriety (Sem notoriedade) ou o Don’t Name Them (Não lhes dê nome) que atuam para que a mídia mude o enfoque da cobertura jornalística, priorizando a questão da segurança pública, as vítimas, os heróis de verdade e os sobreviventes. Para eles a mensagem aos potenciais assassinos deveria ser: “Você não receberá mais fama desta forma”. Também orientam a não publicar ou transmitir materiais, manifestos, postagens nas mídias sociais, armas e outros apetrechos usados no crime. E conclui: 

No Brasil, que agora carrega o oitavo ataque a tiros em escolas no currículo, essa discussão praticamente não existe. Mesmo nos EUA, veterano nesse tipo de crime, poucas instituições de mídia se animaram em adotar a política da não notoriedade. Não se trata de não divulgar informações relevantes ao público. Mas, com as evidências e as experiências acumuladas ao longo do tempo em outros países, é preciso, pelo menos, discutir como adotar um comportamento mais responsável nessas situações”.

Um argumento recorrente e polêmico, quando ocorrem atos de extrema violência protagonizado, principalmente, por crianças ou adolescentes é a questão dos videogames. Passei a semana pesquisando diversos artigos científicos e também reportagens acerca do assunto e a grande maioria, embasada em estudos científicos, aponta que não existe uma relação direta entre games e atentados terroristas. Na Inglaterra, os pesquisadores David Zendlea, Daniel Kudenkoab e Paul Cairnsa, da Universidade de York, publicaram em 2017 estudo intitulado: Behavioural realism and the activation of aggressive concepts in violent video games (tradução: Realismo comportamental e a ativação de conceitos agressivos em videogames violentos) – veja aqui  – e a conclusão é que não há qualquer relação direta que comprove que os jogos aumentem a agressividade em seus jogadores

A pesquisa envolveu cerca de 3 mil participantes,  em uma série de experimentos ofereceu diferentes tipos de jogos violentos, e monitorou reações, associações e diversos outros possíveis efeitos que os jogos poderiam provocar. Um dos pesquisadores afirmou que “Não há qualquer ligação comprovada entre a violência e o realismo nesse tipo de jogo e os efeitos que supostamente poderiam ter em seus jogadores”. Porém, eles dizem que é preciso mais pesquisas sobre o tema e que a generalização da afirmação vale como uma média, e que tal média não impede que indivíduos possam ter reações diferentes diante de cada jogo.

Sobre a (polêmica) relação entre videogames e a violência, o site Olhar Digital, informa que especialistas confirmam que traçar o perfil de pessoas agressivas ou que cometem atos de violência exacerbada é relativamente fácil, são pessoas com histórico de bullying, violência familiar ou até problemas mentais e que videogames são jogados por pessoas de diversas idades, de todos os níveis sociais, culturais e econômicos  no mundo todo e que não há nada que comprove que eles são perigosos para a formação da personalidade, mas que deve haver ressalvas pois nem todos são apropriados para todas as idades.

Isso me fez lembrar da minha preocupação quando meus filhos jogavam videogames (como a maioria dos jovens deste mundo). Dois destes jogos, Bully e GTA – os seus preferidos –, eram extremamente violentos. Não gostava deles, aliás detestava; e não perdia a oportunidade de manifestar minha preocupação com o conteúdo, a meu ver, extremamente impróprio pela violência, desrespeito e agressividade. Os argumentos deles eram certeiros: ‘é só um jogo, os filmes e livros que vocês assistem ou leem, também têm temas como esses!’. Será que gostar dos filmes do Tarantino e vibrar quando a Shoshana incendeia o cinema com a toda a cúpula do Terceiro Reich lá dentro ou quando o Tenente Aldo e seus soldados bastardos inglórios escalpelam nazistas nos faz assassinos potenciais?  Até hoje ninguém aqui de casa bandeou pro lado do terrorismo. (Creio que não foi só graças à Deus, mas também, a toda carga de carinho e amor, de arte e cultura, de filosofia e conhecimento, de música e literatura, de teatro e poesia com que foram sistematicamente ‘bombardeados’ durante toda sua existência.)

Outro tema que precisa ser abordado é a Deep Web. Em tradução literal: internet profunda. Segundo o site Olhar Digital, esse é o nome que se dá à camada da internet que não pode ser acessada através mecanismos comuns de busca ou de navegadores e precisa de algumas ferramentas extras. Por ser “escondida”, nela, não conseguimos digitar um endereço (.com) para fazer uma busca. Por isso é normalmente representada pela figura de um iceberg. “A ponta do iceberg, a parte fora da água, é tudo o que é indexado por mecanismos de busca … A maior parte do iceberg, o colosso abaixo da água, é a deep web – as profundezas invisíveis a olho nu da rede mundial de computadores… tem o seu lado ‘bom’, que é a privacidade para troca de conteúdo e informações sigilosas, por exemplo. Mas também tem o lado ruim, cheio de crimes, pornografia, tráfico de drogas e outras ilegalidades. É a parte da deep web que muitos chamam de dark web”. Dos sites que pesquisei o mais didático foi do Olhar Digital; para quem quiser saber mais, clique aqui.

A alguns anos tomei contato com o termo deep web através de notícias veiculadas sobre a Doutora,Dolores Aronovich Aguero. Conhecida nas redes sociais como Lola, a argentina naturalizada brasileira, de 51 anos, professora na Universidade Federal do Ceará é ativista do movimento feminista e autora do blog Escreva, Lola, Escreva. Desde 2011 ela recebe ameaças de grupos extremistas que disseminam o ódio contra mulheres, negros, a população LGBT entre outras minorias. Em 2012 passou a registrar boletins de ocorrências acerca das ameaças recebidas. Um destes foi contra o Dogolachan (canal da deep web associado ao crime de Suzano) , no final de 2014, quando  estava recebendo ameaças por telefone em sua casa. “Eu levei os prints que tirava. Lá eles planejavam tudo. Marcelo(criador do canal) dava ordens para um neonazista gaúcho, que hoje está internado num manicômio, me ligar. Nunca recebi qualquer orientação ou qualquer tipo de proteção de qualquer polícia, seja Civil, Federal ou Delegacia da Mulher. Ela informa que o reitor da UFC, recebeu um email em 2016 dizendo que, se não fosse exonerada, ele passaria uma semana recolhendo pedaços de 300 cadáveres.  Foi aberto um inquérito na PF que investigou o crime por terrorismo, não pelas milhares de ameaças  recebeu (e que continua recebendo).

Em 2015 “a quadrilha misógina e neonazista criou um site falso no meu nome. O site “vendia” remédios abortivos e defendia coisas que eu jamais defenderia, como aborto de fetos masculinos, castração e infanticídio de meninos, queima de bíblias etc, e chegava ao cúmulo de inventar que eu havia realizado um aborto numa aluna durante uma aula na UFC. Era ridículo, mas, com a ajuda de reaças como Olavo de Carvalho e Roger, do Ultraje, que divulgaram o site mesmo sabendo que não era meu, ele viralizou”.

Em 2018 foi sancionada a Lei Lola que atribui à Polícia Federal a investigação de crimes cibernéticos de misoginia.

Lola informa que a ação de Suzano era uma “tragédia anunciada” e faz duras críticas à falta de investigação desses grupos virtuais. Ela monitorou o Dogolachan durante quatro anos, e afirma “ não houve um dia sequer em que os membros não fantasiavam como iriam matar “a escória” (mulheres em geral, feministas em particular, negros, LGBT etc) assim que as armas fossem liberadas. Faz no mínimo quatro anos que eles cultuam “heróis” como o do Massacre de Realengo ou o do massacre na Califórnia, em 2014. Desta forma, eles tentam convencer outros rapazes a matarem para se tornarem “ícones” também.

O tratamento do governo da Primeira Ministra Jacinta Ardern, dado ao atentado às mesquitas na Nova Zelândia, no dia 15/03/19, é um excelente exemplo de como deve se portar uma verdadeira liderança política: em cadeia nacional informou o que ocorreu, sem citar nomes, solicitou que as autoridades emitissem comunicados pedindo para não divulgarem  a ação, enalteceu a atuação dos policiais e afirmou :“Enquanto o país lida com uma forma de raiva e tristeza que nunca experimentamos antes, estamos buscando respostas….Estamos todos sofrendo juntos… nosso dever é manter todos seguros – isso não aconteceu aqui e então perguntas devem ser feitas… Muitos dos atingidos pelo ataque podem ser migrantes para a Nova Zelândia, podem ser refugiados aqui. Eles escolheram fazer da Nova Zelândia seu lar, e aqui é o lar deles. Eles são iguais a nós. Quem perpetrou esse ato de violência não é.…os autores do massacre possuem visões extremistas que não tem lugar na Nova Zelândia e, na verdade, não tem lugar em nenhum lugar do mundo”.No dia seguinte anunciou que as leis sobre armas serão alteradas no país: “Agora é a hora de mudar”.

No Brasil, relação ao ataque em Suzano, ilustres personalidades políticas além de prestarem solidariedade às vítimas e familiares também se pronunciaram. O ministro da Justiça disse que “não há muito o que fazer”(?). Parlamentares levantaram a bandeira da “farsa da política desarmamentista” dizendo que se professores e funcionários estivessem armados isso seria minimizado, aproveitando também para incluir a questão da redução da maioridade penal. Outros culparam videogames, as redes sociais e a imitação da cultura americana, pregaram o resgate dos valores tradicionais da família e da pátria, mais limites. Enfim, todos queriam defender suas “bandeiras”, ou seja, fazer política – no pior sentido do termo.

O professor Fernando Schüler, em seu artigo na Folha de São Paulo de 17/03/19 ‘A banalidade do mal e as perguntas que não sabemos fazer’ diz: É quase inacreditável ler este tipo de coisa de quem deveria liderar o País. Me vem à cabeça o vaticínio de Tzvetan Todorov, de que ‘o primeiro inimigo da democracia é a simplificação, que reduz o plural ao singular e com isso abre espaço a toda forma de excesso’. Nele, o articulista põe o ‘dedo na ferida’ e aponta a falência da escola e a indiferença burocrática de nosso sistema de educação. O referido texto aponta para a complexidade do tema, mas infelizmente cai no simplismo ao colocar o foco somente na questão sobre a educação e a escola. Pergunto:  por que não incluir também a questão das políticas públicas de saúde, lazer, esporte, assistência social e segurança, ou melhor, a falta delas?

Somente quem vive o cotidiano das escolas públicas brasileiras conhece o drama; é quase inexistente a aplicação de políticas públicas voltadas a crianças e adolescentes que necessitam de atendimento psicológico/psiquiátrico para enfrentar questões como abandono parental, bullying, depressão, entre tantos outros.

Em entrevista ao site Jornalista Livres, uma professora que dá aulas em uma escola estadual de Suzano (próxima à EE Raul Brasil) aponta para a precariedade do sistema de ensino em atuar com os conflitos dos jovens sob intensa exposição à violência. Diz que “agora, neste momento, estamos com esse grande movimento de psicólogos, médicos, enfermeiros, assistentes sociais, funcionários da área de saúde da prefeitura prestando socorro aos familiares e à escola. Mas é preciso dizer que precisamos dessa atenção multidisciplinar ANTES de uma tragédia acontecer. Amanhã, quando os corpos esfriarem e os jornalistas desaparecerem, estaremos sozinhos como sempre”. À reportagem do site ela relata que identifica na sala de aula, facilmente, os alunos que estão sofrendo de depressão, diversos tipos de síndromes emocionais e transtornos. “Eu mesma já tirei carta de suicídio de bolsa de aluna”. E salienta que não tem a quem recorrer. “Pedimos encaminhamentos que acabam nunca acontecendo. Os estudantes são orientados a ir à Universidade de Mogi das Cruzes para atendimento psicológico e a maioria não tem condições de sequer chegar até lá”.

Temos lindos projetos de atendimento em rede, de proteção integral, que na prática ficam somente no “papel” ou nos discursos dos mandatários.

A Constituição Brasileira e, consequentemente, o (difamado) Estatuto da Criança e do Adolescente e a Lei Orgânica da Assistência Social, entre outros, são marcos históricos para a implantação e implementação dessas políticas, tivemos muitos ganhos desde a sua promulgação, e, a depender da “ideologia” vigente corremos o sério risco de termos que amargar muitos retrocessos – vide a PEC dos gastos públicos que congela investimentos em saúde, educação e outros serviços por vinte anos e a agenda ultraliberal dos poderosos de plantão que são uma pálida amostra do que está por vir.

Se os dois maiores orçamentos – Saúde e Educação – apresentam deficiências a questão do Lazer e do Esporte estão calamitosas. Procurem ver a situação das áreas de lazer ou de centros esportivos – de preferência nas periferias – e poderão comprovar “in loco”, se elas (ainda) existirem.

Políticas públicas não brotam espontaneamente, elas demandam de VONTADE POLÍTICA (assim mesmo, em maiúsculas), portanto, cabem aos poderes instituídos: judiciário, legislativo e executivo – estes dois últimos principalmente. Mas dependem também de conscientização. E de participação. Será que assumimos integralmente nossa responsabilidade enquanto cidadãos?  A urna de votação não é o único caminho para isso. Ela é apenas um dos meios.

Devemos conhecer as propostas dos candidatos, acompanhar e cobrar sua atuação parlamentar. Participar de atos de inauguração ou aprovar aquelas benditas faixas de agradecimento pela verba enviada para realizar alguma obra ou reforma não vale. Isso é obrigação do parlamentar, ele é um funcionário da população, não está legislando para fazer favores. Favores são PRIVILÉGIOS – que são para poucos –, uma sociedade que busca justiça e equidade tem que exigir DIREITOS – que são para todos! Outra forma de participação e acompanhamento, e que também poderia ser muito eficiente, é a atuação da população nos conselhos municipais (instituídos pela nossa Constituição Cidadã); mas que infelizmente não consegue adesão da população, inclusive porque é dever desses acompanhar, avaliar e fiscalizar o poder público

Renato Sérgio de Lima, diretor-Presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, no blog da FSP “O que está por trás dos números da segurança pública” publicou o excelente artigo intitulado: A falsa ideia de que `se o crime é uma doença, os caveiras são a cura’. Nele, o autor faz uma análise iconográfica de uma das inúmeras operações das Forças Armadas em uma das favelas do Rio de Janeiro, vale a leitura na íntegra. Leia aqui.

Ele afirma que “um ato de insanidade tão violenta como o que ocorreu na escola Raul Brasil e que muitos agora pensam em “culpas” individuais, que por certo existem, mas deixam em segundo plano as opções político-ideológicas que estamos fazendo para fazer frente ao medo, ao crime e à violência que nos assolam.Não descarto a influência das redes sociais e dos games, mas chamo atenção para o fato de que, nas políticas públicas, o país está aceitando a estética da violência e da “cura” do crime a qualquer custo, mesmo que o remédio seja mais violência.O que estamos fazendo para conquistar a juventude para um projeto civilizatório de país e evitar a construção de carreiras delinquenciais? ”.

Para concluir, me aproprio de dois tópicos do artigo acima citado e que traduzem perfeitamente a reflexão que propus no início deste texto:

Hoje, o ódio, que não é de hoje, tomou conta da política; o ódio venceu. Cada vez mais, ideias de respeito aos direitos civis, humanos e sociais são vistas como ‘criminosas’ ou ‘inimigas do povo’ pelos apoiadores reais ou virtuais do presidente Jair Bolsonaro e de sua família. Clamar por direitos é visto como ‘defesa de bandido’ ou como ‘prova’ de se ser ‘comunista’, senhas para se desqualificar e justificar a eliminação moral ou física de quem discorda da ‘verdade’; Estamos vivenciando o apogeu do pensamento conspiratório que declara guerra cultural contra inimigos ideológicos e clama, de forma chula e grosseira, para que as instituições de Estado eliminem dissensos e divergentes. E, em uma análise histórica, o amálgama entre guerra cultural, defensores de bandidos e projetos de poder político foi feito pelos lobistas e ‘professores’ que deslocaram o debate da segurança pública para a discussão da autotutela. À semelhança do papel na Associação Nacional do Rifle, dos EUA, nossos armamentistas fizeram a ponte entre ideologia, política e religião que hoje sustenta muitos dos que estão no Poder e tentam revogar o Estatuto do Desarmamento mesmo contra todas as evidências de que, na segurança, mais armas, mais mortes. Eu poderia trazer vários outros dados, mas, se continuarmos na toada atual talvez estejamos presenciando a aniquilação da política e o fim da nação. E, diante de tudo o que foi exposto, o que estamos ensinando às nossas crianças e jovens é o exemplo ético de Pátria a ser construída?

Se continuarmos nessa toada, estaremos fazendo de nossos jovens inúmeras garrafas de coquetéis molotov, infelizmente.

 

Jacqueline Paggioro Ruiz Toledo Barbosa
Professora e pedagoga há 30 anos. Feminista e de esquerda. Aprendiz de escritora.
jacquepaggioro@hotmail.com

1 Comentário

  1. Lúcia Emiliano disse:

    Excelente o seu artigo. Parabéns minha querida!
    Ass. Discípula de aprendiz de escritora.

Deixe uma resposta para Lúcia Emiliano Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *