Investigada pela PF, Universidade Brasil tem vestibular de Medicina suspenso pelo MEC
20 de outubro de 2020
Mais de 150 mil vidas perdidas
22 de outubro de 2020

Pessuto recebeu R$ 5,5 milhões do Ministério da Saúde e não fez repasse à Santa Casa; só Lene Marsola auxiliou com R$ 39 mil

DESCASO ABSURDO: Nem mesmo enfrentando uma pandemia, Santa Casa de Fernandópolis recebe os devidos repasses da maioria dos municípios integrantes do CISARF, os quais receberam auxílio do Ministério da Saúde

DÉFICIT DE “MEIO MILHÃO DE REAIS” COM TRATAMENTO E INTERNAÇÃO DE PACIENTES COM CORONAVÍRUS
Nem mesmo a pandemia está sendo capaz de mudar a postura da maioria das prefeituras da região, o descaso com a Santa Casa persiste.
De acordo com a administração da Santa Casa de Fernandópolis, há um déficit de R$ 500 mil com toda a estrutura, funcionários e medicamentos para atendimento e tratamento de pacientes com Covid-19, incluindo internações na UTI. O hospital trabalha com uma estimativa de gasto da ordem de R$ 3 milhões, tendo recebido R$ 2,5 milhões do Ministério da Saúde durante todo o período de enfrentamento ao coronavírus.
“Esse déficit (de meio milhão de reais) acaba tendo um impacto ainda maior em nosso setor financeiro, devido a impossibilidade de aplicarmos o total da verba recebida em todas as áreas que temos custos, pois há restrições ao uso desse repasse federal”, afirmou Marcus Vinicius Paço Chaer, há 8 meses no cargo de provedor, como administrador judicial nomeado pelo Judiciário local para comandar a Santa Casa.

Marcus Chaer, provedor e administrador judicial da Santa Casa

Enfrentando também, há muito tempo, delicado quadro orçamentário, o hospital, que já realizou 2.224 atendimentos em sua Unidade II (Unidade de Atendimento a Síndromes Gripais), exclusiva para o tratamento de infectados pela Covid-19, bem como na UTI, nos casos mais graves, desde o início da pandemia, ainda não recebeu repasses de 12 municípios que compõem o CISARF – Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região de Fernandópolis.
CONFIRA O NÚMERO TOTAL OFICIAL DE ATENDIMENTOS REALIZADOS PELA SANTA CASA EM TODO O PERÍODO DE PANDEMIA

ATENDIMENTO AMBULATORIAL*

U.A.S.G. –COVID-19

MÊS

ATENDIMENTOS

abril

80

maio

110

junho

451

julho

456

agosto

477

setembro

353

TOTAL

1927

*O atendimento ambulatorial compreende o atendimento pacientes externos que necessitem de consulta ministrada por profissional de saúde habilitado. Os dados da tabela são compostos dos atendimentos a pacientes SUS, particulares e planos de saúde. (U.A.S.G. – Unidade de Atendimento a Síndromes Gripais)

INTERNAÇÕES**

U.A.S.G. – COVID-19

   MÊS

ATENDIMENTOS

abril

14

maio

18

junho

74

julho

53

agosto

81

setembro

57

TOTAL

297

**As internações compreendem todos os atendimentos a pacientes alocados em leitos de enfermaria ou de terapia intensiva. Os dados da tabela são compostos dos atendimentos a pacientes SUS, particulares e planos de saúde. (U.A.S.G. – Unidade de Atendimento a Síndromes Gripais)
ATÉ AGORA, MENOS DE R$ 40 MIL EM REPASSE DE UM ÚNICO MUNICÍPIO: RESSALTANDO QUE SÃO 13 PREFEITURAS QUE PARTICIPAM DO CISARF
Os treze municípios possuem juntos uma população geral superior a 117 mil habitantes. Até o dia 20 de outubro, os números oficiais disponibilizados pelo Ministério da Saúde são de 90 mortes em toda a microrregião de Fernandópólis.
Até a conclusão desta matéria, somente a prefeita Lene Marsola (PTB), de Macedônia, que recebeu R$ 259.073,36 (específicos para combate à Covid-19) do Ministério da Saúde, já depositou R$ 39.325,62 na conta do hospital.
Outras duas administrações municipais apresentaram valores ainda a serem enviados à Santa Casa: Márcio Castrequini (MDB), prefeito de Mira Estrela, já assinou acordo para o repasse de R$ 46.265,44; e Nilson Timporim (PTB), chefe do Executivo de Guarani d’Oeste, que, mesmo sem assinar um acordo oficial, se comprometeu a destinar R$ 30.250,48.
Campeão de recursos recebidos do Ministério da Saúde, Fernandópolis não destinou uma “cota-parte” à Santa Casa: o Executivo fernandopolense recebeu R$ 5.525.445,92 em razão da pandemia. Esses são números contabilizados até 5 de outubro e disponíveis em quadro de repasses financeiros no site do Ministério da Saúde.
Revoluir entrou em contato com a ASCOM (Assessoria de Comunicação) da Prefeitura de Fernandópolis, mas até a conclusão desta matéria não recebeu as informações solicitadas. Assim que recebidas, serão devidamente publicadas. Fica em aberto a principal dúvida: quando, e quanto, dos R$ 5,5 milhões serão revertidos à Santa Casa, que ainda aguarda esse recurso, fundamental auxílio para a “saúde financeira” do hospital, ainda mais em plena pandemia.
“Não podemos deixar de registrar que a Prefeitura de Fernandópolis tem nos auxiliado com pessoal (funcionários de enfermagem, por exemplo, alguns médicos também) e no aparato de nossa Unidade II”, ressaltou Chaer durante entrevista concedida na última semana, na provedoria da Santa Casa.

A parceria com a Prefeitura de Fernandópolis tem funcionado, a colaboração com funcionários cedidos para a Santa Casa é fundamental

De fato, repasse financeiro ainda não foi realizado pelo prefeito André Pessuto (DEM).
Mira Estrela recebeu R$ 297.101,23 e Guarani d’Oeste R$ 458.429,98 do governo federal, via Ministério da Saúde. Os dois municípios devem desembolsar juntos quase R$ 77 mil.
CONFIRA QUANTO RECEBEU DO MINISTÉRIO DA SAÚDE CADA MUNICÍPIO DO CISARF, QUE JUNTOS CONTABILIZAM R$ 11,8 MILHÕES REPASSADOS PELO GOVERNO FEDERAL

VEJA MELHOR NO DETALHE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *