Sábado no Cinema
8 de dezembro de 2018
AIDS
9 de dezembro de 2018

Imagine

Zé Renato é professor de Filosofia da UniJales

Neste sábado, 8 de dezembro, faz trinta e oito anos que John Lennon foi assassinado.

Vivia um certo ostracismo. Lançara “Double Fantasy”. Meloso. Chato. Com a mala da patroa, Yoko Ono.

Todavia, merece respeito, por tudo àquilo que fizera ao longo dos anos.

A indústria cultural tratou de recoloca-lo no mercado. Uma das mais tocadas foi “Imagine”. Apareceu no filme “Forest Gump”

Em que pese a datação, é uma bela utopia.

Hoje, confesso, o ex-Beatle me soa mais como um arrogante, pretensioso e mimado. Gosto muito mais do Harrison.

Não importa.

Essa utopia, lembrou-me de uma distopia: “1984”, de George Orwell.

A obra fala de um futuro – foi escrita em 1948, com os algarismos invertidos -, no qual, tudo seria controlado pelas “teletelas”. Havia a polícia do pensamento. Todos eram obrigados a odiar Gladstone

Controlados pelo “Big Brother”, não pensavam. Apenas executavam.

O personagem principal – Winston – trabalha no jornal, cuja tarefa é, modificar as notícias. Se há falta de determinado produto, publica-se o contrário. A ação da teletela, insistindo com as notícias falsas, para uma população alienada, parece verdade. Acredita-se.

Além disso, Winston tem outra função: ajuda a escrever o dicionário “novilíngua”, cujo principal propósito é: para falar, escrever, não seria mais necessário pensar.

O final da história, não conto. Leiam por favor.

Permito-me uma reflexão: como estamos?

Se hoje não é mais a tela de um televisor o principal atrativo, continua sendo tela: de um computador ou telefone. Por elas passam um enxovalho de sandices. A maioria, tomada como verdade. Basta lembrar das tais “fake news”

Escrita e pensamento estão a ser tornar inócuos. Em desuso.

O empobrecimento da linguagem é um fato. Basta recordamos: há alguns anos, qualquer conversa exigia umas dez ou doze frases inteligentes e bem articuladas. Hoje, um balbucio, um grunhido, qualquer som, sem sentido, é facilmente identificado e “compreendido”.

A ação fundamentalista, insana de reproduzir aquilo que é dito por alguém, que as diz, por isso está autorizado, caracteriza a aurora da novilíngua.

Tempos sombrios: ódio, insanidade, fundamentalismo, fake news, ódio ao pensar, ódio ao agir, ódio ao opositor, ódio ao diferente, ódio, ódio, ódio, ódio pelo ódio…

Talvez a utopia de Lennon esteja fazendo falta.

 

Zé Renato é professor de Filosofia da UniJales
joserenatostb@hotmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *